29/12/2009

364 dias de férias do Papai Noel..


Apesar da minha ausência aqui, não poderia deixar de fazer meus votos aos meus amigos para 2010 e complementar com meu comentário sobre os mais banais e singelos desejos ao próximo.

Passou Natal e, como todo ano, o Espírito Natalino invade a humanidade radiando bondade e humildade. Guerras entre família terminam (somente em Dezembro, sabemos), fingimos perdoar as desavenças, os falsos amigos, o vizinho chato que liga o som no último quando você esta dormindo no seu dia de folga.

“Não será as férias de dezembro que deixam as pessoas felizes?
Ou será uma época que todos ganham presentes?
13º?
Hum.. abafa o caso. É Natal e a cidade fica linda enfeitada!”


Acho que a nação esqueceu do verdadeiro significado do Natal, esta data tão esperada e significativa não consiste em ser um meio lucrativo aos comércios, não é poder pagar suas dívidas com o acréscimo do salário, não é ganhar presentes do seu namorado, amigo diário ou oculto. Não é comer o peru e se deliciar com o vinho envelhecido ou ver o Papai Noel no shopping.

Embora seja maravilhosa essa sintonia entre as pessoas o Natal é mais que isso, Natal é um dia a ser lembrado de Cristo.

É poder reavaliar nossas vidas, pensar nas possibilidades perdidas, nos tropeços que deu a vida e fazê-la diferente.

Em vez de sermos solidários em dezembro, por que não ser em janeiro, fevereiro, março... seríamos muito mais verdadeiros.

E quanto o amor ao próximo?! Um dia Jesus passou por aqui e nos ensinou a ser humilde em nossos atos, estender a mão a quem precisa. Quando vamos rever nossos conceitos e refazer nossos sentimentos?!

Eu sei que sou descrente a humanidade, mas confesso que lá no fundo tenho a esperança de que o futuro será diferente. São as poucas pessoas boas e puras de coração que restam no mundo que fazem a diferença, que nos enchem de alegria e energia positiva que vai dar certo.

Que esse ano que se inicia seja o melhor, que comecemos uma nova vida, com novo emprego para quem quer mudança, com dinheiro no bolso, saúde pra dar e vender e um amor verdadeiro.

Que nossas falhas de 2009 não se repitam no ano seguinte, que 2010 seja o começo de uma nova era aos que buscam sucesso e estabilidade.

Viva 2010 !!!

22/09/2009

Inveja fiada..


01/ setembro/ 2009

Pérla chega em seu local de trabalho calma e alegre como sempre, cumprimenta suas colegas de trabalho, com uma voz doce e encantadora..
Pérla:
-Bom dia, Joana. Bom dia, Vivi. Bom dia, Drica.. Como vão vocês?
Joana:
-Bom dia, Pérla, bem e você? Parece que não dormiu bem, esta com olheiras, o que houve?
Pérla:
-Nada, “amiga”, suas lentes de contato devem estar sujas. Espere! Trocou a cor? Ah, eu disse que estavam artificiais de mais, que bom que ouviu meu conselho.
E por falar em olhos verdes, acredita que esqueci meus óculos escuros?! A caridade do sol incomoda a NÓS de olhos claros..

Vivi e Drica com a mão na boca se segurando para não rir..

02/ setembro/ 2009

Pérla:
-Bom dia, meninas, tudo bem com vocês?
Meninas:
-Bom dia, tudo sim e com você?
Joana:
-Bom dia, “querida”.. nossa, jamais eu usaria um decote como esse, meu marido diz que é vulgar, que mulheres usam decotes quando querem sair com um homem por uma só noite.
Como eles não levariam a sério, seria somente por uma noite e você sabe pra que, né amiga?!...
Pérla:
-Nossa, eu nem tinha percebido, meus seios são tão fartos que qualquer blusinha que coloco meu colo aparece.
André adora, diz que fico sexy, irresistível, e não é que ele não resiste mesmo?! Todo dia recebo elogios seguidos de.. Ah, você sabe!
Diz que o que é bonito é pra se mostrar, com isso ele mostra a confiança que deposita em mim, além de se vangloriar na mulher que tem ao lado dele.
E vamos combinar, amiga, eu posso, não é?! Olha que não estou usando sutiã... e por falar em sutiã.. minha mãe esta vendendo tamanho GG e bem resistentes, você não quer dar uma olhada?

Vivi e Drica saíram da sala, pois não agüentaram ficar quietas e foram rir em outro lugar...

03/ setembro/ 2009

Pérla:
-Bom dia, amigas....
Vivi e Drica:
-Bom dia..
Joana:
-Bom dia, Pérla. E não disse mais nada...

Uma hora depois chega um motoboy com encomendas para Joana, alforica abre as encomendas despercebidamente para que as outras não pudessem ver.
Na hora do almoço Vivi e Drica, como sempre curiosas, abrem o pacote e nele se encontra.. creme de rosto, de corpo, gel redutor, creme para estrias, celulite, maquiagem, cera depiladora e mais algumas coisas “anti”..
Mais uma hora depois chega outra encomenda e com o mesmo processo, na hora do intervalo da tarde, Vivi e Drica encontram lingeries de todas as cores, calcinhas comestíveis, acessórios e mais alguns apetrechos.. contam para Pérla não se agüentando de tanto rir..

Assim que o intervalo acabou Pérla sentou-se ao lado de Joana e mostrou alguns truques de maquiagem, sem que Joana percebesse de algo que ela soube, pois Pérla sabia desde o princípio que não era uma simples inveja e sim que Joana tentava se espelhar nela para encontrar novamente seu brilho feminino que fazia falta, não só em seu casamento, como em seu universo.

Fim..

30/08/2009

O beijo do Vampiro



Numa tarde escura, a lua já apontava seu brilho e as luzes da cidade se acendiam sem alarde. Um silêncio, um mistério, pairava sobre sereno frio e nostálgico que vinha do sul agoniando meus pensamentos.

Em meu quarto, sentia a chuva se aprontando para dar seus primeiros sinais de chegada, uma brisa fria anunciava uma noite deserta em meu lençol aquecido por meu corpo que o cobria.

Inquieta e sonolenta, deixei-me levar pausando os momentos alucinantes, sobrepondo o real no imaginário, abrindo o portal de uma viagem mística, como chamam de “viagem astral”.

Somente a luz da Lua cheia iluminava meu quarto escuro e o som do vento faziam melodia entre as árvores de vista a janela meio aberta.

Quando ouço lá do fundo dos meus sonhos reais um barulho, um ruído, sem forças para me levantar como se estivesse enfeitiçada permaneci quieta, embriagada desta noite alucinante.

O barulho aumentava como se alguém me aproximasse, senti meu coração acelerar, minha pele arrepiar e o colchão afundar. Uma brisa fria me descobria, com início em meus pés, subindo como se fosse uma mão suave tocando meu corpo.

Eu, sonolenta, não sabia distinguir entre o medo e o desejo, parecia que meu temor o atraia e meu desejo o seduzia, meu corpo quente entre aquele corpo frio me confundia, a única lucidez que em mim havia era de não querer que essa sensação terminasse.

Em seguida senti uma pressão em meus lábios, um beijo inexplicável e apaixonante , logo após em meu pescoço uma mordida suave e envolvente, o saciando a vontade de sugar o meu sangue que se escorria por minha veste vermelha de seda. Deixei matar sua sede, seus desejos, até o ultimo gole que o acalmava.
Ao abrir meus olhos, deparei-me com os dele, verdes e serenos, olhei em seus lábios vermelhos de meu sangue, passando a língua entre os dentes com um ar faceiro, sua pele branca e fria, o realçavam entre seus cabelos negros.

Já não tinha mais forças para perguntar qual o seu nome, de onde viera, porque me possuíra.. enquanto se afastava em direção a janela e me deixara.

Adormeci com a sensação de êxtase e angústia por ter ido embora e deixado-me com o néctar de querer mais uma vez sem saber lhe encontrar.

Amanheceu e acordei com meus dentes afiados com um único desejo, que à noite venha a calhar e devolva esta sensação enigmática de emoção e prazer, pois minha sede é somente de seu corpo.

Todas as noites minha janela se encontra aberta, esperando seu retorno..

26/07/2009

Integridade x Improbidade


Um dia conheci a Honestidade, ela era tímida, porém, firme de seus atos, não tinha um que não a admirava, mesmo sendo opaca, sempre alguém a enxergava. Fez amizade com a Falsidade, pelo acaso do destino.

Falsidade era extrovertida, alegre e ativa, sempre muito esperta. Ambas foram passear e conheceram o Poder, ele era alto, forte e sério, suas “qualidades” eram relacionadas a falcatruas, iniqüidades e disparates.

Mas não foi obstáculo para Falsidade de lhe dirigir como amiga, já que seus desejos íntimos condiziam com aquele homem tão cheio de “virtudes”.

Através do Poder Falsidade conheceu o Ingênuo, e sem que o Poder percebesse, tiveram um romance duradouro, mesmo depois que o amor acabou, pois Ingênuo ao lado da Falsidade deixou de ser Ingênuo e se tornou Astuto.

Falsidade pediu conselhos a Honestidade de como reconquistar Astuto (antigo Ingênuo), então, Honestidade disse para deixar de ser Falsidade e ser Digna, mas Falsidade não sabia ser Digna e pediu que Honestidade a ajudasse mesmo assim.

Honestidade não aceitou mesmo sendo sua amiga e, com esse ato, se tornou Observadora.

Observadora começou a prestar atenção em Falsidade, Poder e Astuta, tomando conceitos em seus meios de trabalho, e como faziam parte de uma equipe, sempre estavam juntos. Nesse meio também se encontravam Carismática, Fiel, Experiente, Gandula e outros insignificantes... Falsidade conquistou a amizade de todos, para honrar seu nome.

Observadora continuava tímida, mas aprendeu com Falsidade a ser mais “amiga”, então conquistou seu espaço ao lado do Poder, porém, ficavam distantes um do outro, por não se entenderem como pessoa.

Falsidade insistia em Astuto, e ficou transtornada, enlouquecida e enciumada, principalmente com Gandula, pois Gandula e Astuto ficavam juntos no mesmo setor, então, Falsidade armou um plano para derrubar Gandula.. e conseguiu, pois o Poder, com suas “qualidades” deu prioridade a Falsidade. Depois disso Poder passou a ser Estúpido.

Observadora se aliou com Fiel, Carismática e Essencial, juntos formaram uma equipe excelente, mesmo sendo de setores diferentes, sempre obtiam sucesso em suas obras. Então, Carismática e Fiel abriram os olhos a respeito de Falsidade e ala deixou de ser tão primorosa, mas não aos olhos do Estúpido e Intrometido, pois eram cegos por Falsidade.

Intrometido? Ele era como um gestor, sempre se intrometendo onde não era chamado, além de distorcer historias ao Poder, com isso, Intrometido passou a ser Truão.. todo mundo ria dele.. rsrs.

Sem falar que o Poder tinha um caso com Experiente, mas isso é outra historia..

Observadora sempre pensava, até perdia o sono, imaginando um lugar diferente, onde não houvesse Falsidade, Estúpido, Poder e seus meios de vida como falcatruas, iniquidades e disparates, mas entendeu o significado de sempre andarem juntos. Então chegou a conclusão:

No mundo de hoje temos que aprender a ser Observador para enxergar a Falsidade, ser Astuto para não cair nas artimanhas do Poder, ser Experiente pra acontecer como Gandula e ser Fiel, não entre eles e sim, para viver em Harmonia com a Paz, a Paz não citada acima, mas com grande valor para Honestidade, pois o destino de Honestidade foi conhecer, além da paz, a Dignidade e Amor, essências para sua evolução humana que crescia pelo poder próprio sem fazer dos insignificantes degraus.

Honestidade, hoje, é reconhecida por não ser igual a Falsidade, muito menos seguir seus exemplos, e assim satisfeita pela experiência própria de vida.

Quanto ao “Amor e Consciência” o “Sabe Tudo” não conhece.

Quem é “Sabe Tudo”? Alguém que, com todas as letras, fala que sabe/vai se dar bem..


07/07/2009

De tanto desejo..


01:30 da manhã, em minha casa, o interfone toca. Uma voz grave, com sussurros doces me dizia...

- Oi, meu amor, quanta saudades eu senti, não sei como pude resistir tanto tempo sem lhe procurar, não sei por que um dia parti para longe de ti.

Hoje, quando olhava sua foto, lembrei do quanto era feliz, do quanto me enlouquecia, com sei jeito meigo, sua voz suave ao me acordar. Não resisti e vim lhe procurar.

Perdoa-me?!

Deixe-me subir e te sentir, te amar como nunca te amei, sentir seu cheiro, seus cabelos, sua pele ardente que me que enlouquece aos toques do seu corpo envolvente.

Lembro-me do nosso primeiro abraço, com meus braços te envolvendo, sentindo seu apelo ao querer se entregar. Seu beijo delirante estremecendo meu corpo, não consegui resistir em te possuir, te fazer mulher explorando cada canto do seu corpo, apreciando suas curvas que me levaram a insanidade.

Como magia, ao penetrar-te suavemente, tragando-te aos sons de suspiro de prazer, ansiando a vontade do auge do teu deleite. Deixe-me entrar, deixe-me saciar essa vontade de te ter, de te provar mais uma vez.

Amanhã, quando acordar, sentirá meus lábios em seu corpo conduzidos pelo mapa que tatuei em sua pele macia, ouvirá minha voz em seu ouvido dizendo-lhe que te amo, que te quero e te desejo. Abra amor, deixe-me entrar..

Nessa hora o interfone se desliza sobre meu corpo, saboreando o momento de felicidade e ao mesmo tempo lutando contra meus desejos e anseios para não correr e me atirar em seus braços.

Desci as escadas e ao chegar perante a porta meus olhos embaraçaram, uma luz se expandia e acordei em minha cama, suada com meus desejos reprimidos, me entregando ao martírio de estar longe de ti.

29/05/2009

Renúncia


Chega uma certa época em nossa vida que somos praticamente obrigados a renunciar algo ou alguém que faz parte de nossa historia, de nossos sentimentos, seja por causa de uma mudança de residência, emprego, relacionamento, pelo fato de queremos o melhor para nós ou pelo cansaço, por não suportar o fardo carregado.

Sempre estamos propícios às transformações, com perdas ou ganhos, renovando e prosperando nossas expectativas, nossos sonhos, desejos e rotina.

Querendo ou não deixamos laços para trás dando espaço para o novo, inédito e enigmático amanhã, fazendo-se assim nosso desenvolvimento humano ser mais sensato.

O mais difícil desta historia é renunciar algo que se considera essencial, algo que faz parte do seu dia a dia, do seu cotidiano ou costume, que esteja habituado a encontrar todos os dias e, de repente, desistir por não ter como prosseguir daquela forma. Como acontece com o amor em um relacionamento aparentemente sólido e de um dia pro outro termina, mesmo que, muitas vezes, nem sabemos o porquê.

Não importa se você é a mulher perfeita ou o homem exato, a vida nos prega peças e somos coagidos a desistir, transformar em memórias um lindo lance que poderia vingar da melhor maneira possível. Ou talvez seja ela nos poupando de aborrecimentos futuros... É, a vida é sábia..

Confesso que mudanças bruscas me assustam, mas, às vezes, é preciso para amadurecer, mesmo que seja na raça.


27/05/2009

Será que o amor é realmente cego?


Muitos, quando amam, tapam os olhos para os defeitos, amenizam situações desagradáveis, brigas e discussões, só para não brigar com seu amado. Não dá ouvidos para afronta, tenta reverter o ataque de ciúmes, deixa-se controlar pelos horários de saída, chegada, onde vai, com quem, que roupa.. enfim.

Assim vivem em seu mundinho a dois, com satisfações, perseguições, sufocando o dia a dia da vida rotineira de ambos, porém, felizes por saber que isso é “cuidado”, é amor incondicional, curiosidades.. claro, por que não?! Aff.

Ainda chamam isso de amor?

Amor, que eu saiba, é liberdade, é prosa, união, compreensão, companheirismo, é poder estar ao mesmo tempo respirar por ser um sentimento puro, dividir prazeres e, principalmente, saber dividir indiferenças e não ser criado em um cativeiro íntimo. Uma vida a dois não significa que tem que seguir literalmente a palavra “a dois”. Vamos abrir nossas mentes, ser mais coerentes.

Por meu consentimento isso se resume em medo de perder, insegurança, comodidade. Fecham-se o mundo em torno do matrimonio egocêntrico.

Quando não, temos que escutar excrementos só por que ele tem o “pavio curto”.

Às vezes ouço e não acredito em meus ouvidos.

Por isso eu sempre digo: Amor é sorte!


21/05/2009

Romantismo ou estratégia?



Hoje questionamos se ainda existe romantismo nas pessoas, principalmente nos homens, que são menos sensíveis que nós mulheres, fato!

Sempre nos deparamos com um “Don Juan” em alguma eventualidade, com um olhar sedutor, uma voz sensual, um brilho que te encanta e te envolve.

Ele nos oferecendo uma carona, um passeio, uma ida ao cinema. Quando aceitamos, nos abre a porta do carro, pergunta de sua vida, quais seus planos e te deixa em casa. Não passa 15 minutos seu celular toca, é ele querendo dizer “boa noite”.

No dia seguinte você desperta com o celular, ele dizendo: Bom dia, dormiu bem?

Com alguns dias de convívio não resistimos e sedemos as tentações do corpo, nos deixamos levar pelos momentos e pelas vontades, com aquela maravilhosa sintonia, quem resistiria?!

Não passa três dias ele começa a trabalhar demais, estudar para a prova do dia seguinte, visitar a mãe que esta doente que ele sequer havia citado, entre uma desculpa e outra ele desaparece. Incrível!

Será falta de domínio da parte da mulher? Imprudência, criatividade, ingenuidade ou excesso de tudo isso?
Cada ano que passa esta mais difícil entender o universo masculino ou esta tão fácil que perdemos o prazer de conquistá-los. Será que eles pensam o mesmo?

Claro que não podemos deixar de lado o contemporâneo feminino, acho que isso é contagioso, não?!
A verdade é que os dias de hoje não são diferentes do passado, o que falta é diálogo, antes de tudo procurar saber o que se passa no interior do seu parceiro, conhecê-lo melhor...

Todos temos o dom amar e ser amado, queremos um alguém do nosso lado, que seja perfeito ao nosso ponto de vista e bonito ao nossos olhos. Não importa se recebemos um buquê de flores ou um botão de rosa, se iremos ter a mais linda viagem em uma data especial ou um jantar romântico em casa.

Romantismo não tem fim, não escolhe pessoa, muito menos raça ou classe social. O que queremos está nos nossos olhos, no toque, no beijo. Não é difícil distinguir uma aventura de um relacionamento. Pra que dissimular sentimentos ou desejos?!

Abrir o jogo é a melhor forma de viver momentos eternos e casuais. Pessoas maduras não se enganam, vivem.

Homens... gostamos de flores, sim! Sempre!


Priscila Rodrigues.

16/05/2009

Perdi a poesia

Poesia escrita dia
8 de Junho de 2008.

Não encontro meus sentidos, minhas emoções
Onde estão meus suspiros e convicções?
Fez-se manhã e não vejo o amanhecer
Fez-se noite e não sinto o anoitecer

O mar já não é mais azul
E esse azul sumiu do céu
O mel já não tem mais sabor
Nem o prazer do eterno amor

Já não ouço o cantar dos pássaros
Nem o cavalgar dos cavalos
Não sinto o cheiro das rosas
Nem o encanto da aurora

Não ouço o barulho da cidade
No campo já não sinto o sereno
Corro conta o vento, conta o tempo
Falta-me o ar, não sinto a chuva, sinto medo

Perdi meus versos, a sintonia
Meu amor, minha ira
Quando partiu, perdi a primavera
Perdi a poesia, perdi em mim o poeta


Escrevi esse poema em meu ex-Blog "Meus Momentos em Poesias", 
que fechei dia 18/05/12, sei lá porque... 

12/05/2009

Amor no campo.



Manhã de sexta feira, no sítio de seu Manoel...

Ele: 1,80, 80 Kg, malhado, culto, inteligente, formado, vivia em um dos bairros mais interessantes da cidade. Chamava-se Marcio.

Ela: Uma moça simples, do campo, alfabetizada por sua mãe, sua pele rosada, com seus vestidos e sua voz tímida. Estes atributos faziam dela garota encantadora.

Conheceram-se em uma das viagens dele a trabalho. Ele queria fotografar, os animais, o campo e o estilo de vida dos que residiam ali. Ao direcionar sua câmera entre os cavalos no curral o "click" foi direto a ela. Admirado com sua beleza se aproximou e perguntou:

Ele: Qual seu nome, linda?

Ela: Meu nome é Maria das Graças, disse ela com seu sotaque caipira.

Antes que ele lhe dissesse “muito prazer” ela saiu correndo, com seus longos cabelos ao vento direto pra casa.

Uma noite estrelada, lua cheia e brilhante, nos pensamentos de Maria só tinha espaço para Marcio, imaginando em seus sonhos de menina seu príncipe encantado. Ele, ao revelar suas fotos, percebeu o quanto ela era fotogênica, seus traços de garota do campo davam leveza as imagens, transmitindo paz e tranqüilidade.

Cheia de esperança, Maria pulou a janela de seu quarto e seguiu em direção ao local onde encontrou Marcio pela primeira vez. Perfumada, pois tinha ganhado uma água de cheiro de seu padrinho no aniversário de 15 anos, não deu espaço para o medo e foi atrás do rapaz bonito, tentar descobrir qual era o significado da palavra amor.

Chegando ao lugar, uma lágrima caiu de seu rosto por não ter encontrado seu príncipe. Arrasada, deu meia volta, com o rostinho olhando pro chão se surpreendeu quando ergueu sua cabeça. Lá estava ele, sorrindo pra ela, se aproximando, tocando em seu rosto, e em seguida, seus cabelos. E então, ele a beijou.

Momento mágico para Maria, estava experimentando pela primeira vez o sabor de um beijo, suas pernas tremiam, seu corpo esquentava. Ele, com seu forte abraço e beijo quente, deitou Maria entre a palha e a possuiu.

Maria quis viver aquele momento, pois em seu coração dizia para seguir em frente, não se importava se seria a ultima vez ou a primeira de uma longa historia de amor, mas descobriu o que era esse tão falado sentimento e o que ele proporcionava.

Fim.

07/05/2009

Por que fiz um Blog?

Não sei!!

Hoje quis comentar no Blog de um amigo e não consegui por não ter uma conta. Foi dai que surgiu a ideia.

Sinceramente não sei sobre o que vou falar, não faço ideia de algum assunto interessante que possa contar, mas espero que possa sempre passar por aqui e contar algo novo. E que vocês gostem, claro!

Poderia contar um pouco sobre minha vida, meus pensamentos, acho que sei escrever poesia (rs) ou algum assunto que possa considerar interessante, não sei. Sobre o que escrevo em meu dia a dia é algo muito intimo, são, na verdade, desabafos sobre o que eu passo, sinto ou vejo, gosto de expor em papéis minhas ideias, já que não sou muito boa em me expressar pessoalmente e por não ter alguém pra isso.

Provavelmente não vão me ver muito por aqui, mas espero sempre que possível eu possa me apresentar de uma forma diferente, vamos ver se tenho tanta criatividade assim, se consigo me revelar.

É isso ai, pessoal, boa sorte pra mim e para os olhos de vocês ao "me lerem". Rs.

Beijos (adoro mandar beijos).